Mães brasileiras são as que mais conversam com os bebês

Uma pesquisa realizada pelo centro de pesquisa Illuminas Global, nos Estados Unidos, reuniu mães de todo o mundo para entender os principais hábitos que conectam elas com seus bebês.

Participaram do levantamento 3,5 mil mulheres entre 21 e 40 anos em países como Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia, México, China e Brasil.

Mães brasileiríssimas

Segundo o levantamento, as mães brasileiras têm como principal ponto de interação a conversa. Das brasileiras, 89% indicaram que falam com os bebês como a principal atividade, seguido por outros hábitos como “tentar fazer a criança rir” (87%) e “usar brinquedos para promover a interação” (70%).

Além de mostrar uma característica das mães brasileiras, a pesquisa nos faz refletir a respeito do vínculo entre cuidadoras e bebês, mesmo que o foco tenha sido as mães.

A visão de Emmi Pikler sobre a conversa com o bebê

Anteriormente publicamos aqui no blog o texto “O vínculo entre o educador e o bebê, segundo Emmi Pikler”, que evidencia a importância da conversa com os pequenos durante as atividades de rotina.

Não é apenas uma conversa sem propósito. Para Emmi Pikler, a conversa aliada ao contato visual, serve para criar uma relação de respeito com o bebê, que pode não compreender intelectualmente as palavras, mas é capaz de captar as intenções e emoções do adulto.

Não se trata “do que” é falado, mas do “como”. Assim, bebê e adulto tornam-se parceiros nas atividades por meio da melodia e do ritmo das palavras.

As mães brasileiras parecem estar no caminho certo para criar a conexão com seus bebês, mas a conversa precisa ser natural para as duas partes.

O brincar natural do bebê

Outro ponto importante da pesquisa, que podemos conectar a abordagem Pikler, é sobre os brinquedos. Para isso, podemos citar uma célebre frase da Dra. Pikler.

“Na criança – mesmo no bebê – há por natureza, um interesse inesgotável e sempre crescente pelas palavras e por si mesma. Por horas, dias e até mesmo meses, ela brinca com os mais simples objetos que possa obter.”

O mundo é o principal brinquedo da criança pequena. Tudo é novidade, tudo é descoberta, tudo é aprendizado. Assim, brinquedos podem e devem fazer parte do universo infantil, mas para isso não é necessário que ele seja entregue em suas mãos.

A preparação do ambiente

A preparação do ambiente é essencial para colaborar com as conquistas do bebê. Este deve explorá-lo de forma acolhedora e segura.

Os brinquedos fazem parte desse ambiente e, da mesma forma, devem ser seguros e, sobretudo, permitir que os pequenos aprendam por si mesmos.

É por meio das tentativas e erros no ato de brincar, que as crianças tornam-se mais autônomas, confiantes e dominam cada vez mais seus movimentos. Dessa forma, observa-se que o brinquedo não precisa ser elaborado, nem mesmo caro. Basta despertar a curiosidade do bebê para o mundo.

Para mais informações continue acompanhando nosso blog ou visite nossa página Curso Educação Infantil: A Aplicação da Abordagem Pikler no Colégio Florença.

Fonte.

Deixe uma resposta