Falar em público: Inspiração ou técnica?

Falar em público, como toda arte, exige o domínio de algumas técnicas para que possa ser feito com sucesso.

A origem da palavra TÉCNICA é muito interessante. Ela vem do grego téchne, que significa domínio de uma ciência e de uma arte.

É uma palavra, portanto, que se relaciona com dois significados que se cruzam: um caminho nos fala de uma habilidade intangível, intuitiva, não estruturada, própria dos artistas, enquanto outro caminho nos leva à uma habilidade tangível, estruturada, prática e própria dos profissionais.

E para falar em público? É necessário dominar a oratória focando mais em técnicas (no sentido prático que hoje conhecemos) ou como uma arte?

Todos que dominam uma técnica ou arte sabem que é impossível ser puramente “profissional” ou puramente “artístico”. Para o domínio verdadeiro da oratória, os dois caminhos são como um casal, que deve conviver e sempre buscar o equilíbrio para alcançar a felicidade.

É importante, portanto, saber unir técnica e inspiração, ou como dizia Leonardo da Vinci, “Unir arte e ciência”.

A importância das técnicas para falar em público.

Um apresentador inspirado, mas sem técnicas de postura, estruturação do conteúdo ou técnicas psicológicas, está fadado ao fracasso. Verá morrer suas ideias por não terem formas adequadas para serem transmitidas e bem compreendidas pela sua plateia.

Há inclusive pessoas que adoram falar em público e não sentem medo algum nesse processo. Porém, quando falam, mesmo abordando um assunto muito interessante, não são claras.

Por que isso acontece?

Para essas pessoas normalmente falta a parte técnica, as maneiras corretas de dicção, posicionamento do corpo, gestualização e outros elementos, que permitam transmitir o conteúdo com convicção e clareza.

A importância da inspiração para falar em público

Em uma reportagem com um dos mais destacados surfistas de nossa época, perguntaram como ele fazia para saber o momento certo do drop (descida da onda). Ele disse que não conseguia explicar, mas que o mar “avisava”. O mar “falava” a hora exata de descer e ele então obedecia ao chamado.

Eric Clepton, já disse algo parecido. Em uma entrevista antes de seu show, o guitarrista, disse que não fazia música, mas que servia à música. Ele, Eric, era apenas um instrumento por onde a música passava e ganhava o mundo.

Quem domina alguma arte sabe do que eles estão falando.

Trata-se do carinho, do relacionamento profundo do artista com sua arte. Não é necessário mais explicações. O artista sabe como a arte funciona e se comunica com ela no seu íntimo. O mar fala com o surfista e a música fala com Eric.

Unindo arte e técnica

Saber falar em público corretamente significa saber unir a arte com a técnica, beleza e ciência.

A arte só se expressa e torna viável junto com um método, ou uma estrutura para que ela apareça às pessoas.

Da mesma forma os conhecimentos e técnicas só são úteis se contém algo verdadeiro em si ou mostram a expressão do artista (ou do orador) às pessoas.

Para falar em público é necessário unir as essas duas faces. Ter emoção e saber como conduzi-la no momento de falar para não atrapalhar. Ter boas ideias na mente e saber como usá-las para que cheguem da melhor forma possível até os ouvintes.

Temos um orador completo quando este domina as duas realidades.


Texto escrito pelo professor Tuiavii Rolim do Curso Oratória e a Arte de Convencer.

Deixe uma resposta