5 exercícios simples de oratória para fazer em casa

 

A oratória é uma arte e, como qualquer outra, precisa de prática constante. Como falar em público envolve vários aspectos físicos e psicológicos, superar o medo de encarar uma plateia não será um problema resolvido do dia para a noite.

Mas engana-se quem pensa que os treinamentos são muito complicados e demorados. Não é preciso encarar diariamente uma plateia para desenvolver o olhar, o posicionamento, os gestos e outros elementos que compõem um bom orador.

Em alguns casos, é preciso apenas um pouco de imaginação para treinar em qualquer lugar, em qualquer momento, até mesmo, por exemplo, enquanto está preso no trânsito. Gostou? Então confira alguns exercícios que separamos para você treinar sua oratória:

 

1. Olhar

O olhar é uma das armas mais poderosas do orador. É por meio do olhar que transmitimos aquilo que não é expressado verbalmente, como segurança, emoções e até mesmo empatia. É ele que nos conecta com a plateia e, quando isso não acontece, quase metade do potencial da apresentação é desperdiçado.

Consegue imaginar como treinar isso no dia a dia?

O simples ato de olhar nos olhos do outro durante uma conversa já é um bom treinamento. Esse contato visual é tão intenso que pode causar desconforto. Nesses casos, comece a fazer esse exercício com pessoas mais próximas. O importante é superar o receio de encontrar o olhar das pessoas e aprender a criar conexões. Esse exercício também é ótimo para melhorar sua comunicação no dia a dia.

 

2. Posicionamento e gestos

Já comentamos anteriormente aqui no blog sobre a importância da postura e como ela influencia a imagem do orador. Para treinar use um espelho para analisar e corrigir possíveis erros.

Muitas vezes, mesmo sem saber, relaxamos na postura ou exageramos nos gestos. Assim, o reflexo nos oferece uma dica de como os outros nos enxergam. As expressões faciais também podem ser analisadas nesse momento. Você faz muitas caretas enquanto fala? O espelho contará todos os detalhes. Outra dica para manter a postura alinhada e a naturalidade dos gestos é fazer alongamentos para tirar a tensão dos braços, pernas e pescoços.

 

3. Dicção

Em uma apresentação várias coisas podem interferir na compreensão das palavras do orador.Desde o nervosismo, que faz a voz tremer, até problemas técnicos com o microfone.

Por isso, treinar a pronúncia clara e o ritmo das palavras é extremamente importante. Uma dica simples é ler qualquer tipo de texto em voz alta , experimentando diferentes ritmos e entonações. Outro exercício bem simples, mas muito eficaz é a repetição de trava-línguas, brincadeiras infantis, mas que dão muito trabalho também aos adultos. Confira alguns exemplos que podem ser treinados no chuveiro, no trânsito, enquanto se arruma para o trabalho, etc.

“O rato roeu a roupa do Rei de roma, a rainha com raiva resolveu remendar.”
“Trazei três pratos de trigo para três tigres tristes comerem”.
“Em rápido rapto, um rápido rato raptou três ratos sem deixar rastros”.
“O padre pouca capa tem, porque pouca capa compra”.
“Bagre branco, branco bagre”.

4. Respiração

Normalmente não prestamos atenção em nossa própria respiração. Agora você deve ter percebido o ar entrando e saindo dos seus pulmões, mas em qualquer outra situação é muito fácil até mesmo se esquecer de respirar.

A importância da respiração na oratória não é apenas física. Ter uma respiração com ritmo constante e suave ajuda a afastar a ansiedade. É importante lembrar que o som da voz é resultado da passagem do ar pelas cordas vocais e, sendo assim, o principal instrumento do orador.

Existem dois exercícios muito simples que podem ser feitos. O primeiro é simplesmente manter o controle da sua respiração, experimentando a capacidade dos pulmões ao máximo ao inspirar,
inflando a barriga.

O segundo, é deitar-se em uma superfície plana, porém confortável e colocar um peso, por exemplo, um livro sobre a barriga. Isso facilita perceber melhor o ritmo da respiração e sua capacidade respiratória. Nesse exercício as pernas devem estar relaxadas e um pouco afastadas.

Em outra versão desse exercício você pode colocar uma mão no umbigo, enquanto a outra fica posicionada no peito e observar o movimento da respiração. A mão que está no peito não pode ficar mais elevada que a do umbigo. A respiração pela barriga dá mais potência e controle quando você está falando, sendo uma técnica também utilizada por cantores.

 

5. O medo

Diferente da timidez, que é um traço de personalidade, o medo é uma emoção que pode ser superada. Assim, para aprender aos poucos a encarar uma plateia, aproveite todos os momentos de interação que você encontra no dia a dia.

Pode ser uma apresentação acadêmica, uma reunião ou apresentação de projeto no trabalho ou, até mesmo, uma reunião entre amigos. Você não precisa fazer uma grande palestra, mas é importante é estar aberto para enfrentar esses desafios.

Viu como a oratória está mais presente no seu dia a dia do que você imagina? É muito simples treinar oratória, basta se desafiar!

Essa é a nossa proposta no curso Oratória e a Arte de Convencer, que acontece em 3 dias misturando teoria e prática para quem quer aprender a falar bem. Confira nossa agenda e faça sua inscrição para a próxima turma!

Deixe uma resposta