8 Situações que só entende quem tem medo de falar em público

 

Falar em público pode ser uma tarefa extremamente difícil. O desafio é tão intenso, que é comum experimentarmos reações físicas em consequência do medo e da ansiedade. Não é por menos. Segundo uma pesquisa, o medo de falar em público é considerado maior do que o medo da própria morte.

É importante entender que as manifestações físicas diante de uma plateia são reflexo do que está acontecendo em sua mente. Normalmente são sinais de despreparo do palestrante, não a respeito de domínio do conteúdo, mas quanto às técnicas de apresentação em público.

Confira algumas situações muito comuns, que só quem tem medo de falar em público entende:

1.Perder algum dos sentidos

A ansiedade e o medo são capazes de bloquear nossos sentidos durante uma apresentação. Existem relatos de palestrantes que possuem dificuldade em enxergar sua plateia ou distinguir o rosto das pessoas, mesmo quando estão a poucos centímetros de distância.

Isso ocorre, pois esses sentimentos criam um intenso foco de atenção no que estamos falando e bloqueiam nossa capacidade de explorar o ambiente. Saber controlar o medo e a ansiedade é essencial para que o orador consiga captar o que acontece durante a apresentação, e consiga lidar com possíveis imprevistos.

 

2. Achar que não falou com clareza

Ocorre com frequência quando alguém da plateia questiona o orador. Aqui entra o medo do enfrentamento e a insegurança. Na oratória existe um treinamento especial para saber lidar com essas situações, que muitas vezes são decisivas para o processo de convencimento e aceitação da plateia.

A fala enrolada também acontece em outros momentos da apresentação e significa que você está passando por uma enorme agitação mental, ou seja, perdendo o controle dos pensamentos. É como se a fala não acompanhasse o ritmo da mente. O importante é respirar, buscar equilíbrio e retomar com o discurso.

 

3. Não responder as perguntas do público

Essa é uma situação muito parecida com a anterior. Quando o orador se sente pressionado e acaba falando várias coisas, mas sem dar uma resposta clara à pergunta feita. Se você não quer deixar dúvidas a respeito do conteúdo, seja sincero e pergunte se ficou claro. Nesse meio tempo você pode tentar se acalmar e responder novamente.

 

4. Perder noção de gestos e postura

Além dos pensamentos e da fala é muito comum perdermos a noção espacial. Existem pessoas que balançam o corpo, andam em várias direções, esquecem que estão segurando o microfone, amassam a folha que estão segurando, encostam na parede, etc.

Lembrou de alguma situação parecida? Todos esses são exemplos comuns, que encontramos em apresentações profissionais e acadêmicas, decorrentes da falta de preparo e consciência de técnicas de apresentação em público.

 

5. Começar visivelmente a tremer

Papéis e canetas são os maiores vilões das apresentações. Vamos explicar o motivo: uma das coisas aprendidas no treinamento de oratória é saber apoiar-se em si mesmo. Isso significa que o orador não utilizará objetos externos para se livrar da energia do medo, mas sim sua inteligência emocional e postura física.

Sim, parece incrível, mas o simples fato de manter a postura correta faz com que a energia do medo flua e seja aproveitada de forma positiva. Quem não conhece as técnicas de oratória costuma transmitir a energia do medo para objetos e aí eles acabam sendo chacoalhados mais do que deveriam.

 

6. Esquecer palavras e frases inteiras

Imagine que sua mente é uma sala cheia de arquivos e pastas, onde você organiza todo o seu conhecimento, experiências e claro, tudo que estudou para sua apresentação. Em certo momento entra pela janela dessa sala uma ventania capaz de derrubar pastas e espalhar folhas por todos os lados.

Esse é o cenário quando sua mente está agitada durante uma apresentação. Esquecer palavras e frases não significa que você é incompetente no conteúdo. Significa que você não soube fechar a porta corretamente para se proteger da ventania, também conhecida como medo e ansiedade. A lição aqui talvez nem seja aprender a bloquear a passagem, mas a transformar essa ventania em uma brisa que apenas faça o ar (medo) circular pela sala (você).

Além disso, você também pode aprender algumas técnicas de memorização – clique aqui e aprenda a fazer um Mapa Mental – para auxiliar nas suas apresentações.

 

7. Ficar dias antes pensando na apresentação

Quase como uma viagem no tempo, a ansiedade nos faz pensar e agir como se vivenciássemos a apresentação no presente. Ansiedade é isso: viver no futuro e, normalmente, com expectativas negativas. Tem pessoas que não conseguem dormir, pois ruminam pensamentos como: E se eu tropeçar quando estiver entrando no palco? E se eu esquecer das palavras? E se meu equipamento não funcionar? E se eu falar algo errado e alguém me corrigir? E se meu chefe não gostar do meu projeto? E se… E se… E se…

Projetar como será sua apresentação não é ruim. O problema é deixar que a negatividade tome conta do cenário. A dica aqui é fazer o seguinte exercício:

Imagine sim a sua apresentação, mas por um viés positivo onde todas as coisas dão certo. Você entra em cena, as pessoas estão sorrindo, você começa a falar e todos concordam com a cabeça. Alguém faz uma pergunta e como você domina o assunto, responde de forma clara e concisa. Todos estão muito felizes por estarem escutando o que você tem para falar. Você ouve os aplausos e termina sua apresentação com um sentimento feliz. Lembre-se desse sentimento e busque realizá-lo.

O segredo aqui é projetar seu futuro com sucesso. Ele ainda não aconteceu, então não se preocupe com os possíveis erros, mas com a oportunidade que terá para fazer uma boa apresentação.

 

8. Achar que sua apresentação foi péssima

Muitas vezes o sentimento negativo pode atrapalhar a avaliação que temos de nós mesmos. Com frequência as pessoas acham que o próprio desempenho foi ruim e depois, alguém agradece e oferece inúmeros elogios. Não seja perfeccionista ao ponto de ser incapaz de reconhecer suas habilidades.

Em outros casos a apresentação pode ser realmente ruim e aí só resta você se inscrever no curso Oratória e a Arte de Convencer para darmos aquela forcinha.

Acredite! As técnicas de apresentação fazem uma enorme diferença em todos essas situações e podem ser compreendidas por qualquer pessoa, inclusive por você.

Você também sente essas coisas que falamos no post? Deixe seu comentário e compartilhe conosco como são suas experiências ao falar em público.

 

Deixe uma resposta